Blog

Hipotermia na anestesia

By In

A hipotermia, ou seja, a diminuição da temperatura corpórea é uma complicação comum na anestesia geral de pequenos animais. Estudos relatam que a incidência de hipotermia pós-operatória em cães e gatos pode chegar a 83,6% e 97,5% respectivamente. Esta complicação leva a diversas alterações como tremores, aumento do consumo de oxigênio, arritmias cardíacas, distúrbios eletrolíticos, isquemia, coagulopatias, maior risco de infecções pós-cirúrgicas, diminuição do metabolismo de fármacos usados durante a anestesia e, consequentemente, o aumento do tempo de recuperação anestésica.
A irradiação é a principal via de perda de calor nos animais e consiste na troca de temperatura entre objetos no ambiente que não estão em contato direto com a pele. Isso ocorre por raios térmicos infravermelhos que formam um tipo de onda eletromagnética.Quanto maior a variação de temperatura entre corpo e ambiente, maior será a perda de calor. Sendo assim, fatores como temperatura e umidade do ambiente, taxa metabólica, atividade do paciente, climatização e atividade do ar favorecem na perda de calor.
Em animais conscientes o hipotálamo é responsável pela termorregulação através de vasoconstrição, vasodilatação periférica e estimulação neuroendócrina. Ocorre também aumento do tônus muscular e o tremor involuntário na tentativa de aumentar a temperatura.
Na anestesia geral, ocorre depressão da atividade cerebral e do hipotálamo, portanto, esses mecanismos são inibidos. Além disso, a perda de calor pode ainda ser exacerbada por soluções de limpeza e antissepsia (álcool), exposição ao frio (mesa de aço), doença pré-existente, medicamentos que causam vasodilatação (fenotiazínicos, propofol e isofluorano).
Alguns cuidados durante a anestesia podem minimizar a perda de calor e prevenir a hipotermia. Existem protocolos que envolvem o emprego de colchão térmico ou insuflador de ar quente, associado ou não ao uso bolsas de água e infusão de fluidoterapia aquecida.
Na maioria dos casos, essas medidas são eficientes na redução de perda de calor, assim como diminuição do tempo de cirurgia (quando possível) e climatização adequada da sala cirúrgica, evitando que a mesma fique com temperatura abaixo de 22°C. Em alguns casos, a diminuição da temperatura corporal é mais acentuada, portanto, a hipotermia é difícil de ser evitada, principalmente em animais pequenos (abaixo de 8kg) e em cirurgias de longa duração. Nesses casos, o cuidado durante e após a anestesia deve ser redobrado. O ideal é que o animal fique sob cuidados veterinários até reestabelecer a temperatura normal (37,8 a 39,5°C).
Blog

Spray e Gel para higiene oral em pets

Os donos de animais estão se tornando cada vez mais conscientes de que precisam de boa higiene bucal para seus peludos. Às vezes, a doença periodontal pode causar sérios riscos à saúde do seu animal e dores imensas. Mas nem sempre é fácil usar a escova de dentes e a pasta de dentes para limpar adequadamente os dentes e a gengiva. Como resultado, o hálito de seu amigo peludo geralmente é menos do que fresco ficando difícil de ficar pertinho dele.

By In
Blog

Principais causas de mau hálito em seu cão

Principais causas de mau hálito em seu cão.
O que causa mau hálito no seu cão?

A principal causa de mau hálito em cães é a falta de higiene bucal ou uma doença periodontal. Poucas outras causas são um mau hábito alimentar, problemas renais e diabetes. Vamos entender essas causas uma a uma.

By In
Blog

O que é orgânico

O termo “Orgânico” é usado há muitos anos, mas muitas pessoas não sabem o que realmente significa orgânico e por que isso é importante. Se você estiver interessado em aprender mais sobre os benefícios de um estilo de vida orgânico, continue lendo esta postagem do blog enquanto mergulhamos no verdadeiro significado de orgânico.

By In
Blog

A posse de animais de estimação – especialmente cães – ajuda pacientes cardíacos a gerenciar seus fatores de risco

“Tem sido proposto que possuir um animal de estimação pode prevenir a obesidade, melhorar os perfis lipídicos e reduzir a pressão arterial sistêmica, reduzindo assim o risco de mortalidade e eventos cardiovasculares”, escreveram os autores em seu artigo. “Estudos anteriores mostraram que as pessoas que possuem um cão se envolvem em mais atividade física do que os não-proprietários”.

By In

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: